5 erros mais comuns na implantação de um sistema ERP para PME

Home / Sistemas de Gestão Empresarial / 5 erros mais comuns na implantação de um sistema ERP para PME

Cada vez mais, as pequenas e médias empresas (PMEs) ganham espaço no cenário econômico. Administrá-las, porém, pode ser um grande desafio, já que há menos departamentos e poucos recursos disponíveis. Por isso, um sistema de gestão empresarial (Enterprise Resource Planning — ERP) pode ser bastante útil.

Esse tipo de ferramenta otimiza tempo e reduz gastos ao permitir que os diferentes aspectos do negócio sejam integrados e possam ser acompanhados em um único sistema. Assim, é possível visualizar os números da companhia e cuidar de todas as operações relacionadas a clientes, fornecedores e parceiros de forma facilitada.

Uma das maiores vantagens do ERP para PME é o fato de ele ser um sistema inteligente que permite que seus diferentes departamentos se comuniquem. Assim, todos podem trabalhar em conjunto. Ao decidir adotar a ferramenta, entretanto, é preciso estar atento aos erros que devem ser evitados. Confira!

Quais são os erros comuns na adoção do ERP para PME

Com o desenvolvimento da companhia, o controle precisa ser centralizado para que os processos sejam feitos em menos tempo. O ERP permite acompanhar a evolução do empreendimento, mas é crucial evitar os erros mais comuns para que ele seja realmente eficiente. Veja, a seguir, o que observar!

1. Planejamento

A implantação do ERP deve ser feita de forma adequada para evitar problemas durante seu uso. Estimativas de tempo e de recursos erradas, bem como falta de análises e auditorias nos processos e nas políticas da empresa antes da escolha do sistema podem comprometer a otimização de processos e negócios.

2. Decisões

Tomar decisões sem envolver a equipe significa não analisar, não levantar as necessidades e não discutir as funcionalidades da solução. Sem a participação dos usuários é muito difícil saber quais são os gargalos nos processos e como é possível economizar e encontrar as saídas mais eficientes.

3. Preparação

Treinar os profissionais da empresa é essencial para que o uso do ERP para PME seja realmente benéfico. É a capacitação que reforça o engajamento dos colaboradores e faz com que eles entendam os benefícios do sistema, aprendam a utilizá-lo e o adotem no dia a dia. Sem essa preparação, as chances de sucesso diminuem.

4. Suporte e manutenção

A adaptação da equipe ao ERP pode ser complicada. São falhas, dúvidas e dificuldades que, para serem sanadas, exigem apoio profissional. Sem suporte qualificado, a PME vai ter dificuldade para solucioná-las e fazer adaptações quando necessário.

Outro ponto-chave é estar preparado para a obsolescência do sistema. Isso garante que a PME vai ter uma ferramenta sempre atualizada que acompanhe a inovação. Quando a empresa não considera a necessidade de atualização da solução, pode, em pouco tempo, ter um ERP para PME pouco eficiente.

5. Escalabilidade e segurança

Os planos de crescimento devem ser considerados para nortear a escolha do sistema. Isso porque, se ele não contemplar esses planos, a solução não vai acompanhar o desenvolvimento da PME. Não prever o atendimento dessa expectativa é um erro.

Além da escalabilidade, é essencial que sejam incorporados elementos cruciais de segurança. Afinal, a informação é o bem mais valioso do empreendimento. Quando não leva em consideração a segurança, a companhia fica mais suscetível a ataques externos que podem causar prejuízos.

Assim, antes de contratar um ERP para PME, é essencial que a empresa pesquise e esclareça suas dúvidas com fornecedores qualificados e de confiança. São eles que vão oferecer o suporte necessário para garantir que a escolha e o uso da ferramenta sejam os mais adequados para o empreendimento.

Ainda tem dúvidas sobre como conduzir esse processo? Entre em contato com a gente e saiba como podemos ajudá-lo a ter o melhor ERP para PME na sua empresa.

Comentários(0)

Deixe um Comentário